General brasileiro sugere que em caso de guerra, criminosos irão para linha de frente